Blog

IMG_0519

Mercado Central, 90 anos de história e muita tradição

No dia 7 de setembro de 1929 foi inaugurado o novo Mercado Municipal no terreno que abrigava o campo do América Futebol Clube, localizado entre a avenida Paraopeba (atual Avenida Augusto de Lima), e as ruas Goitacazes, Curitiba e Santa Catarina. Este surgia como um dos maiores centros de comércio do Estado, alojava cerca de 100 comerciantes e seu foco principal era a venda de produtos hortifrutigranjeiros,  já existindo bares, cafés, salões de barbeiro, posto policial e agência dos Correios. Nos 14.000 m² do terreno descoberto, circundado pelas carroças que transportavam os produtos, as barracas de madeira se enfileiravam para a venda de alimentos.

Naquela época o Mercado Municipal não possuía cobertura nem sistemas de água encanada e esgoto. À época das chuvas ele se transformava em um grande lamaçal e no período da seca, a poeira era enorme. Com atividade intensa funcionou dessa forma até 1964, quando a Prefeitura anunciou o leilão para vender o terreno, alegando impossibilidade de administrá-lo. Para impedir o fechamento do mercado os comerciantes se organizaram, criaram uma cooperativa e compraram o imóvel. No entanto, teriam obrigatoriamente que construir um galpão coberto na área total do loteamento no prazo de cinco anos. A tarefa não foi fácil,  mas ao final das obras os associados viram seu esforço recompensado.

Em 1973 passou a ser denominado Mercado Central e este, com participação ativa dos comerciantes ao longo dos anos, ampliou suas atividades, expandiu seus negócios e se transformou em um centro comercial não só de produtos alimentícios, mas também de artesanato e produtos típicos, e se transformou num dos principais pontos turísticos de Belo Horizonte.

Com mais de oito décadas e em plena atividade, nos seus 24.000m² de área o mercado possui 400 lojas, que empregam diretamente 2.850 funcionários. Aberto de domingo a domingo, recebe mensalmente um milhão e duzentas mil pessoas. O público é diverso, formado por diferentes classes sociais. É ponto de encontro dos belo horizontinos, atrai todos os dias milhares de visitantes de todos os lugares do Brasil e do mundo e em seus corredores guarda grandes memórias e muitas histórias para contar.